IBOVESPA 107.398,97 −6.278,28 (5,52%)

Segurança Pública

Mais de mil militares reforçam policiamento nas ruas com a operação Overlord

O objetivo da operação é agir preventivamente em áreas identificadas pelas manchas criminais, combatendo, principalmente, roubo e homicídios

A Polícia Militar deflagrou, nesta sexta-feira (19), a operação “Overlord”, que reuniu mais de 1,1 mil militares e em 557 viaturas para reforçar a segurança nos locais com ocorrências de crimes na Região Metropolitana de Belém. O trabalho teve também suporte do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), canil e a cavalaria. Inicialmente, as ações se concentraram durante a noite.

Os esforços foram distribuídos, simultaneamente, às 17 horas, em quatro locais: Arterial 18, área do Comando de Policiamento Regional Metropolitano (CPRM), estação final do BRT, Avenida Augusto Montenegro, Comando-Geral da PM - que compreende a área do Comando de Policiamento da Capital II (CPC II) - e Praça da Bandeira, que envolve o Comando de Policiamento da CapitaI (CPC I).

O objetivo da operação é agir preventivamente em áreas identificadas pelas manchas criminais, combatendo, principalmente, roubo e homicídios, que já apresentaram constante redução. Para o titular da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), Ualame Machado, ações como essa são importantes para a manter a diminuição da violência e promover a paz social.

Secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Ualame Machado"Estamos deflagrando a Operação Overlord, da Polícia Militar, usando o efetivo de vários batalhões e sessões especializadas, com o apoio do Grupamento Aéreo, para que possamos demonstrar, cada vez mais, a força do Estado, a presença policial, e levar segurança a cada cidadão paraense que precisa ter o direito de ir e vir garantido com tranquilidade”, disse Ualame Machado.O secretário destacou ainda a participação de policiais militares de várias frentes, incluindo a cavalaria, batalhão de cães, motocicletas e viaturas quatro rodas.

De acordo com levantamento da Polícia Militar, 80% dos crimes estão reunidos em 20% de uma determinada área e costumam ocorrer, quase sempre, em horário específico, o que fez determinar os locais e o momento para que a operação fosse às ruas.

"Lançamos a operação em quatro locais: na frente do Ginásio Abacatão, em Ananindeua; na rotatória do Tapanã: no quartel do Comando-Geral da Polícia Militar, e aqui na Praça da Bandeira”, continuou Ualame, destacando o emprego de toda a capacidade operacional da PM na prevenção da criminalidade. “Com esse aporte de efetivo da atividade administrativa e pessoal de folga, batemos o recorde de viaturas cadastradas na região metropolitana de Belém para atendimento de ocorrências. A intenção é, com isso, reduzir cada vez mais os índices de criminalidade na capital e região metropolitana", afirmou o comandante-geral da PM, coronel Dílson Júnior.

Redução

O Monitor da Violência do portal G1 divulgou, na última quarta-feira (17), que o Pará é o segundo Estado do País com a maior redução de crimes violentos letais intencionais, que envolvem homicídio, latrocínio e lesão corporal seguida de morte. Na maioria dos Estados brasileiros houve aumento de 8%, segundo o estudo.

Somente em abril de 2020, foram computadas 3.950 ocorrências, contra 3.656 no mesmo período do ano passado, mesmo com a circulação de pessoas limitada devido ao isolamento social exigido pela pandemia do novo coronavírus. De janeiro a abril, foram 15.868 crimes violentos, crescimento de 9% no país. Ao todo, 19 Estados apresentaram aumento no número de homicídios no primeiro quadrimestre entre os anos de 2019 e 2020.

O Pará, ao contrário, figura em segundo lugar entre as sete unidades federativas que reduziram crimes violentos letais intencionais, com 24% de queda. Foram 1.036 casos de janeiro a abril de 2019 e 789 no quadrimestre de 2020, o que significa a preservação de 247 vidas. O Estado perde somente para Roraima, com redução de 33% nos quatro primeiros meses de 2020.

__________

Agência Pará